A Revolução Digital com a qual convivemos diariamente veio impulsionada pelo rápido desenvolvimento das novas tecnologias da informação e a comunicação e pela inovação dos sistemas de transmissão digitais.
É possível afirmar, sem nenhum tipo de dúvida, que está transformando o relacionamento do homem com seu entorno natural e com outros seres humanos. Está mudando a maneira de as pessoas pensar, agir, se comunicar, trabalhar e ganhar seu sustento.
De fato, ela forjou novas modalidades de criar conhecimentos, educar a população e transmitir informação.
Reestruturou a forma como os países fazem negócios e regem sua economia, se governam e se comprometem politicamente. Proporcionou a entrega rápida de ajuda humanitária e assistência em saúde, e uma nova visão deproteção do meio ambiente.

A revolução digital criouum novo conceito, indelévele dificilmente controlável: a impressão digital

01_1E até criou novas formas de entretenimento e lazer. Mas além destas transformações tão notáveis, a revolução digital criou um novo conceito, indelével
e dificilmente controlável: a impressão digital. No passado, usávamos o conceito de “realidade publicada” (pelos meios) para falar de uma realidade tangível e certa. O conceito de identidade digital de agora tem também consequências muito importantes, já que cria um novo espaço de “realidade tangível” e ninguém escapa à necessidade de ser transparente em seus comportamentos e de estar, por isso mesmo, preparado para uma contínua fiscalização dos mesmos através das ferramentas disponíveis no mundo online.
Neste UNO, além disso, são abordados outros problemas surgidos da Revolução Digital que têm a ver com o desequilíbrio entre a maior facilidade de acesso à informação e ao conhecimento, por um lado, e a abertura de uma brecha nova de analfabetismo pela abundância não hierarquizada de informação e a falta de acesso às novas tecnologias ou do próprio desconhecimento de uso das mesmas, por outro.
A intimidade dos cidadãos, os direitos de propriedade intelectual, a relação entre as empresas e seus empregados, as próprias identidades digitais dos indivíduos, ou os entornos jurídicos para o uso das novas tecnologias, e, às vezes, para seu abuso, serão também assuntos aos quais este novo UNO presta atenção. Espero que lhes seja de grande interesse.