UNO Novembro 2015

União Europeia-América Latina, desafio para PMEs

16_2

Se tivesse que destacar um efeito benéfico da crise sofrida pelas economias mais desenvolvidas nos últimos oito anos economias, seria o impulso dado à internacionalização das empresas, que buscaram nos mercados estrangeiros uma saída para compensar a queda da demanda doméstica.

Este processo tem contribuído para a intensificação das relações econômicas da União Europeia, muito especialmente da Espanha com a América Latina, não apenas do ponto de vista comercial, mas também em relação a investimentos e transferência de tecnologia e conhecimento.

Nos últimos anos, as grandes empresas espanholas têm aumentado sua atividades de investimento na América Latina, o que teve como consequência uma abertura cada vez mais importante de PMEs e o aumento das exportações de bens.

A América Latina é, além de tudo, um dos principais destinos dos novos emigrantes espanhóis, altamente qualificados, que suportam a transferência de tecnologia e conhecimento, fator decisivo para gerar emprego e tecido produtivo e para o desenvolvimento e a inclusão social.

A América Latina é muito diversificada, mas há um denominador comum em todos os países que, em grande parte, é aquilo que compartilham, social e culturalmente, com os países do outro lado do Atlântico

Agora, além disso, pode-se falar de um caminho de volta em todo este processo econômico e social, e as empresas e os profissionais da América Latina têm na União Europeia um dos principais objetivos para o seu desenvolvimento, e a Espanha, a melhor porta de entrada.

A América Latina é muito diversificada, mas há um denominador comum em todos os países e que, em grande parte, é aquilo que compartilham, social e culturalmente, com os países do outro lado do Atlântico. Esquemas e valores culturais e sociais que os empresários e profissionais “transoceânicos” percebem em ambos os lados e que são a base mais firme para a construção de relações econômicas.

Obviamente, em alguns países existem maiores riscos políticos, menor proteção legal dos direitos de propriedade e do quadro de investimentos ou infraestruturas menos desenvolvidas, mas nada disso é insuperável. Enquanto isso, a sintonia dos “códigos compartilhados” perdura e deve crescer.

16Desde que as relações econômicas e empresariais entre a União Europeia e a América Latina produzam mais progresso e prosperidade em ambos os lados do Atlântico, este é o desafio que os governos e sociedade civil enfrentam.

Trata-se de colocar valor nas relações entre as duas regiões econômicas, de aumentar o diálogo e de trabalhar para remover os obstáculos e, para isso, será imprescindível incorporar as pequenas e médias empresas e microempresas, que são um componente essencial do tecido produtivo e motor de desenvolvimento na América Latina e na União Europeia.

No entanto, as PMEs que operam no comércio entre as duas regiões são minoritárias porque enfrentam barreiras estruturais significativas quando se envolvem em transações internacionais, e isso, apesar do tamanho dos mercados, da sua capacidade de inovar e sua flexibilidade, poderia proporcionar vantagens relevantes.

Para superar estas barreiras e oferecer mais oportunidades transatlânticas de comércio e de investimento para as PMEs é necessário, em primeiro lugar, um marco institucional de assessoramento e acompanhamento que precisam para abordar os processos que não são nada fáceis.

Além disso, é essencial dispor de instrumentos financeiros adequados, como linhas de crédito, capital de giro e empréstimos de investimento, com entidades bancárias e parceiros comerciais que estejam dispostos a financiar as empresas ao longo de todo o ciclo econômico.

A primeira opção das PMEs para abrirem-se a mercados internacionais é participar das cadeias de valor de grandes empresas, que funcionem para elas como “tratores” e ofereçam financiamento para ajudá-las a melhorar, bem como  formação e transferência de conhecimento. Estas grandes empresas, por sua vez, podem beneficiar-se do desenvolvimento das PMEs locais, que oferecem produtos e serviços na medida e conhecimento do terreno.

As pequenas e médias empresas e microempresas são um componente essencial do tecido produtivo e motor de desenvolvimento na América Latina e na União Europeia

Mas também é necessário apoiar os sistemas de cooperação empresarial, em todas as suas fases, desde a busca por sócios, à formalização de alianças e seu monitoramento. As possibilidades são muito diversas, desde o nível superior, que seria a fusão de empresas, até centrais de compras,  uso de complementariedades e colaboração em projetos comerciais, de inovação e de distribuição.

Hoje dispomos de ferramentas digitais inimagináveis ​​há vinte anos, que eliminam o fator distância a baixo custo, e em alguns casos podem ter melhor aplicação que este desafio de estreitar relações econômicas e comerciais entre os dois continentes.

As plataformas digitais devem ser uma ferramenta essencial para ampliar os fluxos financeiros e comerciais, reduzindo os custos e incertezas associadas à expansão internacional.

E devem servir para facilitar acordos, explorar mercados, compartilhar conhecimentos e formação, a melhorar a competitividade e, em última instância, para estender e aumentar o valor das PMEs, nas quais residem boa parte das possibilidades de desenvolvimento das sociedades.

Antonio Garamendi
Presidente da CEPYME / Espanha
Nasceu na cidade basca de Getxo em 1958. Graduado em Direito pela Universidade de Deusto, é presidente da Confederação Espanhola da Pequena e Média Empresa (CEPYME), da Confederação Espanhola de Organizações Empresariais do Metal (CONFEMETAL) e vice-presidente da  Confederação Espanhola de Organizações Empresariais  (CEOE). Desenvolveu projetos empresariais próprios, participou de negócios familiares, de Conselhos de Administração e Conselhos Assessores de grandes empresas. Atualmente, concentra sua atividade empresarial nos setores do metal, construção, imobiliário, seguros e hotelaria. Foi presidente fundador da Associação de Jovens Empresários do País Basco, presidente da Confederação Espanhola de Jovens Empresários, da Confederação Ibero-americana de Jovens Empresários e da Comissão de  Criação de Empresas da CEOE. [Espanha]

Queremos colaborar com você

Qual o seu desafio?

Quer fazer parte da nossa equipe?

Quer que a LLYC participe do seu próximo evento?